(;) pesquisa

 

( ) tags

todas as tags

(») posts recentes

(.)Olá Porto

(:) Fazer-se à rua

(...) Um arquivo a explor...

(:) O Porto também é de f...

(.) Histórias do Porto à ...

(:) O Porto também é de f...

(") Cafés do Porto

(?) Os azulejos de São Be...

(:) O Porto também é de f...

(.) Se nos dessem o azul ...

(«) arquivos

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

subscrever feeds

Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2012

(.)Olá Porto

 

Em baixo, a primeira cónica que escrevi para o Porto 24, em Outubro de 2011. Mais em baixo, links para as crónicas que se seguiram. Não tenho andado pelo porto.ponto, mas tenho andado pelo Porto...

 

Já nem sei como te escrever. Não porque tenhas andado longe ou porque eu tenha partido. Mais exatamente porque ficamos. Eu que não te troquei por Nova Iorque e tu que tardas a olhar em frente. Ficar é um estado de identidade. Tão forte que quando te quero ver e escrever me fico hesitante, preso a esta pele em que tu te tornaste.

 

Sabes que me fazia bem um pouco de futuro. Uma coisa assim rasgada, que não passasse só por obras públicas e discursos de cata-vento. Dinheiro não é assunto, pelo menos até os mercados estarem mais frescos, por isso passemos ao largo. Mas não é pelo dinheiro, nem pela falta dos sacrossantos espaços, que lugares vagos são que o não falta nesta cidade. Nem é uma questão de ideias, que elas aparecem se tu as souberes ouvir. Queria era que não te escondesses atrás da mediocridade de tanto tempo perdido e te fizesses ao mar.

 

Como eu te queria Porto era a ferver de entusiasmo. Era que te achasses mais digno de te saberes com futuro. De te olhares, vendo-te como quem fica, como quem está, mas sabe partir de um pulo e ver-se lá muito mais para a frente. Queria esse murmúrio que por vezes se pressente em algumas caras e em algumas ruas, em certos dias e noites, irrompesse num clamor de energia.

 

Mais do que de um sentir, eu quero saber escrever-te sobre o sentido. Por que mais do que como uma pele, quero-te como uma bandeira. Naturalidade, residência, saudade têm de fazer o sentido de não serem só ditas como uma tatuagem, mas como o sinal de um querer.

 

Porto, escrevo-te a partir daqui na pública esperança de que no meio dos teus dias eu possa encontrar a chama com que cumprirás os nossos desejos.

  

Foi-se o wiki Sá 

 

Por quem os sinos dobram

 

A noite dos zombies

 

O príncipe e o rio

 

Orion morreu, mas continua a brilhar

» publicado por DPontes às 23:01
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos