(;) pesquisa

 

( ) tags

todas as tags

(») posts recentes

(.)Olá Porto

(:) Fazer-se à rua

(...) Um arquivo a explor...

(:) O Porto também é de f...

(.) Histórias do Porto à ...

(:) O Porto também é de f...

(") Cafés do Porto

(?) Os azulejos de São Be...

(:) O Porto também é de f...

(.) Se nos dessem o azul ...

(«) arquivos

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

subscrever feeds

Sábado, 10 de Janeiro de 2009

(") Serviço público

 

É imagem, é memória, é negócio. "O Espólio Fotográfico Português" é o tesouro das imagens captadas pela Foto Beleza. Ao adquiri-lo Mário Ferreira partiu para a organização de banco de imagem que é a melhor forma de preservar e disponibilizar estas imagens, que são um património imperdível. Aqui fica o site http://www.espoliofotograficoportugues.pt/ , algumas imagens de amostra e um pequeno texto sobre a Foto Beleza:
 
“ A cidade do Porto desempenhou um importante papel na difusão e afirmação da fotografia em Portugal, enquanto expressão artística. Aqui trabalhou o inglês Frederick William Flower (1815-1889), a partir de 1835 – um dos primeiros fotógrafos estrangeiros a residir em Portugal. A Academia de Belas-Artes do Porto foi precursora, em 1854, da introdução da fotografia em exposições de belas-artes. O Centro Artístico Portuense, fundado em 1879, acolheu, nesse mesmo ano, as primeiras conferências da história da arte nacional, de Joaquim de Vasconcelos, muito provavelmente apoiadas em documentação fotográfica. Nessa época, e já desde 1874, Emílio Biel (1838-1915) desenvolvia aquele que foi considerado por António Sena como “o mais importante trabalho de levantamento e documentação do país durante o século XIX”. E em 1886, graças à iniciativa da revista A Arte Photographica, editada pela Photographia Moderna - estabelecimento de fototipia da cidade do Porto, tem lugar no Palácio de Cristal desta cidade “a primeira e última exposição internacional de fotografia jamais efectuada entre nós”.
 
 
É no âmbito desta realidade que devemos integrar o aparecimento no Porto da Fotografia Beleza, fundada por António Beleza em 1907, na Rua de Santa Teresa.
Antes desta casa, António Beleza tivera a sua “Royal Foto” na Rua do Almada, 122, espaço de grande tradição fotográfica na cidade. Aí estivera a Fotografia Fritz, que o já referido empresário Emílio Biel acabaria por comprar. Quando Biel passou o seu estúdio para o Palácio do Bolhão, em 1888, António Beleza ocupou o espaço da Rua do Almada e, como era habitual, pode ter ainda adquirido parte do espólio das chapas, das máquinas e dos “decors”. Em concreto, sabe-se que após a morte de Emílio Biel, António Beleza comprou parte do espólio da Casa Biel, vendido em hasta pública no ano de 1916.
É na Fotografia Beleza, da Rua de Santa Teresa – a partir de 1918 dirigida por Moreira de Campos e, em 1935, tendo como único proprietário António Lopes Moreira – que a burguesia do Porto se revê, possuindo o estúdio uma elegante sala de espera, onde se exibiam retratos da melhor sociedade do Norte.
De facto, a Fotografia Beleza deixou um conjunto de várias centenas de milhares documentos fotográficos - um dos maiores espólios que, até ao momento, se conhecem em Portugal, nos quais se incluem mais de 10 000 fotografias em chapas de vidro, de paisagens, nomeadamente paisagem urbana. As restantes espécies são retratos de pessoas do Norte, com relevância para o Porto e arredores.
 
 
Este espólio, provavelmente o mais importante fundo do século XX proveniente de uma casa fotográfica portuguesa, inclui ainda a documentação textual de suporte, muito particularmente, os livros de registo dos trabalhos efectuados e encomendados, em número de 375 (352 de pequeno formato, 8 de grande formato e 15 de imagens), os quais, pormenorizadamente registavam o nome e morada do cliente, número de identificação, o formato tipo e a data dos mesmos.”

 

( ) tags:
» publicado por DPontes às 23:22
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos