(;) pesquisa

 

( ) tags

todas as tags

(») posts recentes

(.)Olá Porto

(:) Fazer-se à rua

(...) Um arquivo a explor...

(:) O Porto também é de f...

(.) Histórias do Porto à ...

(:) O Porto também é de f...

(") Cafés do Porto

(?) Os azulejos de São Be...

(:) O Porto também é de f...

(.) Se nos dessem o azul ...

(«) arquivos

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

subscrever feeds

Terça-feira, 23 de Dezembro de 2008

(.) Barbeiros do Porto II- Barbearia Porto

 

 

 

A barbearia azul
 
Se tivéssemos dúvidas sobre o sítio onde estávamos, a Barbearia colada à Avenida dos Aliados, ali na curva para a Rua da Fábrica, não deixa margem para a interrogação: a ‘Barbearia Porto’ tem um reclame azul e branco. As pretensões clubísticas não se ficam à porta, os espelhos dos clientes alternam-se nesta mesma cor. Tudo obra do Sr. Marinho que começou a pensar no novo design desde que tomou conta do espaço há 30 anos atrás. “Pus espelhos novos, tirei a porta de madeira e pus uma de inox”, lembra. Ele gosta mais assim. Aproveitou e renovou os móveis antigos para caixas de fórmica. Assim a ele parece-lhe que está mais ‘moderna’.
A ‘Porto’ apareceu-lhe na vida quando o patrão o foi buscar a uma barbearia à Batalha. “Nessa altura, com 14 anos já éramos ajudantes num ofício, vínhamos das aldeias e depois íamos aproximando-nos das cidades. Quem fosse bom, era chamado para as barbearias do centro”.
 
O Sr. Marinho não está arrependido do caminho que escolheu para a sua vida, nem se culpa por ter ficado com a barbearia no ‘coração da cidade’ mas esse centro cada vez mais lhe parece um buraco no final do mês, “Desde 2002/3 com as obras isto acabou. Os clientes já não têm sítio para pôr os carros na rua, e fazem contas ao dinheiro do parque, e pronto cortam noutro sítio”. Já foram 7 pessoas a trabalhar no rectângulo antes do 25 de Abril, depois passaram a seis, incluindo uma manicura. “Mas a gente pagava-lhe 14 meses e ela trabalhava seis, foi embora. E agora as pessoas já não são vaidosas, não vão ao teatro arranjadinhos, com o cabelo e a barba aparada, unhas limadas”, afirma o dono da barbearia Porto. Agora os seus antigos clientes, jornalistas, bancários, actores, rareiam mas a maioria que se senta nas cadeiras vermelhas não conhece o nome do barbeiro e pede a nulidade da profissão: um cabelo rapado. “Também temos alguns que pedem coisas esquisitas como cortar dos lados e fazer a crista. Eu não gosto mas o cliente pede e a gente faz”.
 
Texto de Carla Miranda
 
 

 

( ) tags:
» publicado por DPontes às 23:55
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos