(;) pesquisa

 

( ) tags

todas as tags

(») posts recentes

(.)Olá Porto

(:) Fazer-se à rua

(...) Um arquivo a explor...

(:) O Porto também é de f...

(.) Histórias do Porto à ...

(:) O Porto também é de f...

(") Cafés do Porto

(?) Os azulejos de São Be...

(:) O Porto também é de f...

(.) Se nos dessem o azul ...

(«) arquivos

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

subscrever feeds

Sábado, 28 de Fevereiro de 2009

(!) Na prateleira - Itinerário da Faiança do Porto e Gaia

 

Já tem algum tempo (é uma edição do incontornável ano de 2001) mas é um excelente pretexto para conhecermos a variedade da faiança fabricada no Porto, através do acervo do Museu Nacional Soares dos Reis, entidade responsável pela edição. O livro arranca com uma breve história da faiança em Portugal, mas logo se concentra nas fábricas portuenses,  esses nomes tão conhecidos dos nossos avós, mas praticamente desaparecidos do nosso quotidiano como a indústrias de Massarelos, das Devesas, do Carvalhinho, de Miragaia , do Cavaquinho... É uma descoberta ver os frágeis objectos que saíam desses fornos espalhados pela cidade e poder dar nome e razão a muitas das ruínas industriais que ainda subsistem nas cidades de Porto e Gaia.

( ) tags:
» publicado por DPontes às 00:33
» link do post | » comentar | » ver comentários (1) | » adicionar aos favoritos
Domingo, 22 de Fevereiro de 2009

(.) A Farmácia da Avenida

Na esquina da Avenida da Boavista, com a rua de João de Deus, havia uma farmácia. Vendia soluto de ácido pírico e de clorato de potássio, Gualterina Canfórica, “eficaz nas dores musculares de natureza reumática”,  Opodelque (!), laranjada citro-magnésica, xarope iodo-tanico, o elixir dentífrico Sanodol, e os mais familiares óleo de rícino e água de Colónia. A maior parte dos produtos era devidamente preparados no interior do estabelecimento, completamente equipado para as precisas operações de química. Era a “Farmácia da Avenida de J. Alves da Silva”. Hoje, no local onde se encontrava está um prédio novo, que alberga várias empresas, entre elas a agência de notícias Lusa. Uma porta mais adiante, na rua de João de Deus, a descendência mantém a Farmácia Alves da Silva. No seu interior, os proprietários tiveram o precioso bom senso e gosto de conservar muitas das antigas etiquetas, embalagens e aparelhos de uma arte que ajudou a curar muita gente. Dêm uma vista de olhos:

 

 

( ) tags:
» publicado por DPontes às 00:29
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009

(.) O tempo da cidade

Há um tempo da cidade para escolher. Podem ser as altas rotações dos automóveis, os passos apressados no passeio, o ziguezaguear por entre montras, a solene permanência da empregada de balcão. Ou então este isolamento em terra firme, este ficar no centro, deixando gravitar todos os outros tempos da cidade, conquistado o nosso, preso às letras que desfilam sob os nossos olhos.

( ) tags:
» publicado por DPontes às 23:55
» link do post | » comentar | » ver comentários (1) | » adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2009

(:) Porto.

 

Há coisas assim, Sem palavras.

( ) tags:
» publicado por DPontes às 23:01
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2009

(.) Cinquenta mil

Discretamente (sem que eu o tivesse notado) o porto.ponto chegou ao respeitável número das 50 000 visitas.

( ) tags:
» publicado por DPontes às 23:25
» link do post | » comentar | » ver comentários (2) | » adicionar aos favoritos

(") De elétrico

Para todos os que amam os carros amarelos este é um site a visitar:  http://tram-porto.ernstkers.nl/indexpt.htm. Também convém passar pelo mais oficial http://www.museudocarroelectrico.pt/default.aspx e não devem perder este, descoberto através da Baixa do Porto: http://www.sparvagssallskapet.se/forum/viewtopic.php?f=3&t=5149&p=41619&hilit=portugal#p41619.

( ) tags:
» publicado por DPontes às 23:13
» link do post | » comentar | » ver comentários (1) | » adicionar aos favoritos
Domingo, 1 de Fevereiro de 2009

(!) A cidade dos que partem

 

O riso é uma arma. Poderosa. Por vezes é um riso amargo, mas o sabor final é de vitória sobre a modorra dos dias vencidos. "A cidade dos que partem", da Palmilha Dentada, em cena no Teatro Carlos Alberto é o fogo de artifício que não podemos perder. Teatro, um musical de luva branca, que, de uma forma rara, fala desta cidade tantas vezes abandonada. Contemporâneo, como são as obras feitas à flor da pele, malandro e alegre, de quem faz com gosto. Uma peça do Porto, a reclamar o nosso testemunho.

 

 

"Alguns dizem que as tripas à moda do Porto surgiram porque as gentes da cidade ofereceram a carne para alimentar os lisboetas no cerco da cidade. Outros dizem que o sacrifício foi em nome da nação que se expandia além fronteiras em naus repletas de tripulações famintas. Outros dizem que é apenas uma má ideia de um mau cozinheiro.
Outros ainda dizem que quando a vida nos dá tripas temos que fazer feijoada. Nós? Dizer, não dizemos nada. Desta vez cantamos. Cantamos a cidade e as tripas. Cantamos as chegadas e as partidas. Cantamos o que somos, o que fomos e o que achamos que somos ou fomos, mas que afinal nunca chegámos a ser. E rimos. Rimos bastante. Em primeiro lugar, rimos de nós mesmos. Depois, rimos dos que nos governam, rimos dos que são governados, rimos dos que vão embora, rimos dos que cá ficaram, rimos dos que sonham e… sonhamos com eles. Portanto, voltamos a rir de nós mesmos."

 

Teatro da Palmilha Dentada

 

( ) tags:
» publicado por DPontes às 23:32
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos

(!) Na prateleira - Diga trinta e três

 

Nunca é demais destacar esse saudável hábito que se transformaram as Quintas de Leitura no Teatro de Campo Alegre. Hábito de liberdade, de poesia, de talento e alegria de criar. Os amigos João Gesta e a Patricia Campos, mais todas as outras pessoas notáveis que transitam e fazem viver estes momentos, solidificaram em poemas e fotografias este portuense vício. O livro está aí e as quintas, com felicidade, continuam.   

 

( ) tags:
» publicado por DPontes às 02:12
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos