(;) pesquisa

 

( ) tags

todas as tags

(») posts recentes

(.)Olá Porto

(:) Fazer-se à rua

(...) Um arquivo a explor...

(:) O Porto também é de f...

(.) Histórias do Porto à ...

(:) O Porto também é de f...

(") Cafés do Porto

(?) Os azulejos de São Be...

(:) O Porto também é de f...

(.) Se nos dessem o azul ...

(«) arquivos

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

subscrever feeds

Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

(?) Rua aberta

O bom senso venceu o preconceito. A Câmara Municipal do Porto reconsiderou e vai permitir o encerramento da Rua Cândido dos Reis, no dia 5 de Outubro, para a festa promovida pelo Plano B. Assim está certo. DPontes

» publicado por DPontes às 01:24
» link do post | » comentar | » ver comentários (1) | » adicionar aos favoritos
Sábado, 15 de Setembro de 2007

(?) Rua proibida



Lê-se e não se acredita, "Este tipo de actividades não justifica o corte total de trânsito de um arruamento principal da cidade". E mais: "Este tipo de eventos deverá ser realizado em espaços de lazer e sem prejudicar o normal funcionamento de um arruamento".


Com estas justificações, os funcionários da Divisão de Trânsito da Câmara do Porto indeferiram a possibilidade de encerrar a Rua Cândido dos Reis, no feriado de 5 de Outubro, para a realização do festival de animação "Se esta rua fosse minha", organizado pelo Plano B. (ler anterior post)


Recapitulemos. A mesma câmara que encerra a Rua da Boavista, o Centro histórico do Porto para vermos automóveis e aviões, acha que uma actividade cultural, não subsidiada, iniciativa da sociedade civil, não presta para encerrar, num feriado, o “arruamento principal” Cândido dos Reis. Sim, aquela pequena transversal da rua dos Clérigos, de um só sentido.


Não são precisos comentários. O Plano B recorreu da decisão. Aguardemos. DPontes

» publicado por DPontes às 23:44
» link do post | » comentar | » ver comentários (1) | » adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007

(!) Plano B quer revolução a 5 de Outubro

O espaço Plano B lançou um desafio para mentes loucas. A ideia, para a qual se aceitam propostas, de "Se esta rua fosse minha.." é revolucionar a rua Cândido dos Reis, no dia 5 de Outubro, data em que se comemora a implantação da República e em que se recorda também o aniversário da morte do almirante que, não acreditando no sucesso da revolta, se suicidou. O Plano B pretende que nesse dia a rua seja constantemente animada por espectáculos de rua, dança, performances, música, etc, etc, etc. Não há asae que lhes tire o fôlego!


As propostas devem ser encaminhadas plano.b.eventos@gmail.com. Atrevam-se! DPontes

» publicado por DPontes às 00:21
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 10 de Setembro de 2007

(:) Prado do Repouso


 


Os passeios de Germano Silva levaram-nos até ao cemitério do Prado do Repouso. Incrivel como fazemos por esquecer quanta beleza podemos encontrar num local tão triste. DPontes 

» publicado por DPontes às 23:02
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 5 de Setembro de 2007

(:) Touro vermelho no Douro


Red Bull Race Porto : Eles lá no alto...


 



... nós cá em baixo.


 



Eles rápidos...


 



 ... nós parados. Mas foi uma festa. DPontes (última foto NPontes)

» publicado por DPontes às 23:25
» link do post | » comentar | » ver comentários (3) | » adicionar aos favoritos
Domingo, 2 de Setembro de 2007

(...) Há 95 anos, o primeiro voo no Porto


 


“Hontem, às 6 horas e 10 minutos da tarde, tendo abrandado forte ventania,levantou o primeiro voo do biplano da creche ‘O Comercio do Porto’.


O aparelho, manobrado habilmente por mr. Trescartes, ergueu--se garbosamente do aeródromo e cortou o espaço em diversas direcções, subindo a 800 metros”.


Foi assim que o Jornal de Notícias registou aquele que estava anunciado como o primeiro voo de avião em Portugal, feito a partir de um aeródromo improvisado junto ao Castelo do Queijo, no sábado 7 de Setembro de 1912. Na verdade, o primeiro voo tinha sido realizado dois anos antes, por Julien Mamet, num Blériot XI, em Lisboa.


Mas foi uma primeira vez para a multidão, 60 mil pessoas segundo as crónicas, que quis ver a desengonçada máquina levantar voo. No dia seguinte, conta o JN, “a concorrência era numerosissima, despejando os carros da Companhia Carris e dos Caminhos de Ferro do Porto muítissimas pessoas, não contando com as que foram em automóveis, trens, bicyletas e motocycletas e a pé”. Segundo Nunes da Ponte, em “Recordando o Velho Burgo”, até no Monte Castro, em Gondomar, se aglomerou “uma verdadeira pilha humana” para tentar ver o avião.


Depois de um teste, no primeiro voo oficial o biplano MF4 elevou-se a 300 metros e, após algumas voltas sobre o campo, seguiu em direcção ao Porto, passando por cima do rio Douro, Praça da Liberdade, Marquês do Pombal e Torre dos Clérigos. Permaneceu no ar durante 16 minutos.


Angariar dinheiro para a construção da obra social das Creches “Comercio do Porto” foi o pretexto para este gesto pioneiro. A lembrança foi do industrial António da Silva Marinho, que adquiriu o avião militar em Paris, fazendo transportar até Leixões a bordo de um paquete. À iniciativa aderiram numerosas entidades e pessoas, tentando rentabilizar ao máximo o evento, num gesto percursor da verdadeira acção de marketing a que hoje os portuenses podem assistir. O “desportista” Henrique Marinho transportou aviador e mecânico no seu “magnífico automóvel Fiat”; o governador civil mandou montar guarda no Palácio de Cristal, cedido para a montagem do aparelho e para servir de local de exposição; os chefes militares emprestaram as suas bandas militares para animarem o espaço que foi devidamente engalanado com bandeiras e flores.


As visitas ao Palácio serviram para reunir um bom montante para a obra social do “Comércio”, mas a verdadeira festa foi no improvisado aeródromo do “Castelo do Queijo”, com a multidão que pagou bilhetes que iam dos 100 reis (peões ao sol) até aos 500 réis (bancada). Um sucesso que depois seria repetido em Lisboa.


David Pontes


» publicado por DPontes às 00:00
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos