(;) pesquisa

 

( ) tags

todas as tags

(») posts recentes

(.)Olá Porto

(:) Fazer-se à rua

(...) Um arquivo a explor...

(:) O Porto também é de f...

(.) Histórias do Porto à ...

(:) O Porto também é de f...

(") Cafés do Porto

(?) Os azulejos de São Be...

(:) O Porto também é de f...

(.) Se nos dessem o azul ...

(«) arquivos

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

subscrever feeds

Quarta-feira, 27 de Junho de 2007

(…) A lenda de Matosinhos



Esta é “uma lenda fundamental e fundacional da cidade”, escreve Joel Cleto, antes de nos contar aquela que é só uma pequena amostra do mundo de histórias que nos traz a recente segunda edição de “Senhor de Matosinhos – Lenda, história, património”. Um belíssimo livro, fundamental para conhecer uma das mais populares romarias do Norte de Portugal, paragem obrigatória no roteiro da alegria, e que é também uma forma de nos encontrarmos com a história da cidade de Matosinhos. E Joel Cleto fá-lo com mão firme e inegável talento, ora leiam:


 


“Será durante este lendário transporte marítimo do corpo martirizado do santo desde a Palestina até à Galiza que ocorrerá o episódio que explica a associação da vieira a Santiago. Tal viagem, repleta de acontecimentos fabulosos e miraculosos, incluirá, com efeito, um encontro da embarcação que transporta o corpo do santo com um cavaleiro que ficará recoberto de vieiras, dando origem a esta associação e à importância simbólica que, a partir daí, esta concha assumirá no culto de Santiago. Diversas obras artísticas retratando este episódio, datadas do século XV, existentes em Itália e na Península Ibérica, não deixam grandes dúvidas sobre a grande difusão que, já então, tal lenda conheceria. Mas, que nos conta essa narrativa tradicional e para onde, para que cenário, nos remete?


Matosinhos é, desde há 400 anos, o local apontado como o da origem da associação da vieira à devoção a Santiago de Compostela. Desde então praticamente todas as versões redigidas da lenda, em Portugal, mas também em Espanha (Castellá Ferrer 1610, Cunha 1623, Cardoso 1666, Huerta y Veja 1736, Pinto 1737…) indicam como palco dos acontecimentos um vasto areal no lugar de Bouças (designação, até ao início do século XX, do actual concelho de Matosinhos). Foi esse o local escolhido, pela sua vastidão e largueza, pelo grande senhor romano da região, Cayo Carpo, para realizar as festas do seu casamento. A praia do Espinheiro. Correria o ano de 44 d.C.


Durante tais festividades, o noivo desafia os restantes cavaleiros para uma corrida invulgar de cavalos: venceria quem conseguisse penetrar mais longe mar adentro. Iniciada a prova, rapidamente Cayo Carpo se destacará dos restantes competidores. Para sua surpresa, e de todos os que permanecem no areal, o seu cavalo avança, desenfreado, em direcção ao horizonte e, miraculosamente, cavalgando sobre as águas semse afundar. Mas as surpresas não terminam para o senhor romano pagão. Maravilhado constatará que a sua montada se dirige para um barco, em pedra (!), que passa ao largo. Trata-se da embarcação que, velozmente e em apenas três dias, transporta o corpo de Santiago desde a Palestina até à Galiza. Perante os milagres de que é testemunha participativa, e face às explicações dos tripulantes do barco, Cayo Carpo converte-se nesse instante ao cristianismo.


Durante o seu regresso a terra, onde a multidão espera expectante e maravilhada por uma explicação, o noivo e o seu cavalo desaparecerão engolidos pelas águas do mar. E, quando a apreensão se começa a instalar entre as gentes, eis que o cavaleiro e a sua montada ressurgem já muito próximos do areal. Mas, novo milagre se havia processado: Cayo Carpo e o seu cavalo vêm completamente recobertos de vieiras, convertidas, a partir daí, num dos símbolos de Santiago. Nalgumas versões da lenda este episódio das conchas ocorrera antes, durante a cavalgada em direcção ao barco.


Nas narrativas mais antigas que conhecemos escreve-se que Cayo Carpo e a sua montada surgem na praia totalmente “matizados” de vieiras e, por tal motivo, este senhor romano passará a ser conhecido, desde então, por “Matizadinho” e, o local onde tudo isto se passou, por praia do “Matizadinho” – topónimo que evoluirá, durante os séculos seguintes, para Matosinhos”.



 



(



(imagens retiradas do livro) DPontes

» publicado por DPontes às 23:50
» link do post | » comentar | » ver comentários (1) | » adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

(:) Ninguém faltou à festa



fotografias de ALeite
» publicado por DPontes às 16:44
» link do post | » comentar | » ver comentários (1) | » adicionar aos favoritos
Sábado, 23 de Junho de 2007

(!) Bom São João


 


Não há como ir renovando a tradição com coisas boas. A Arcádia inventou estes dulcíssimos "manjericos", feitos de chocolates e amêndoas de licor e um pouco por todo o lado começa a crescer a moda do “bolo de São João”. Com sinais destes percebemos que esta é uma festa viva, que come sardinhas e bebe verde tinto, mas que não gosta que a boca lhe amargue. Para todos uma mágica noite de São João. DPontes


 

» publicado por DPontes às 18:46
» link do post | » comentar | » ver comentários (6) | » adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 22 de Junho de 2007

(.) Pouca fartura

 



 


 Por estes dias de festa no Porto, a venda de farturas é uma espécie de metáfora da cidade. "Isto está tão mal, menina, que o negócio quase não dá para a luz". Pouco passa da meia-noite e nas "Farturas Mário", junto ao Passeio Alegre, é já hora de limpar o chão pouco sujo de clientes inexistentes. Ali perto, no Largo do Calém, apenas um resistente afaga o balcão da sofisticada roulotte "Maria Cristina", onde a fartura, como tanta coisa por cá, cedeu lugar aos multi-sabores dos espanhóis ‘churros’. Amanhã, dizem os vendedores, a festa anima e a coisa melhora. Para o ano, ou para o outro (o ano de todas as eleições), pode ser que a coisa melhore mais. Digo eu… ALeite

» publicado por DPontes às 00:02
» link do post | » comentar | » ver comentários (5) | » adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 21 de Junho de 2007

(.) Palavra de mestre


 


Esperar os domingos, para ler no JN mais um pedaço de Porto, é o prazer de poder olhar a cidade todos os dias com novos olhos. O melhor contador da sua história, Germano Silva, tira do anonimato tudo aquilo que nos rodeia, dá curriculum às pedras. As ruas ganham outra vida, as casas enchem-se de gente, das igrejas saem as procissões, há festas nas praças e fontes que nunca vimos, mas onde quase podemos beber água. Se somos saciados a um ritmo semanal, imaginem agora a festa que é encontrarmos essa outra cidade reunida num livro. "Porto da História e da Lenda", é o novo livro de Germano Silva, em que reúne muitas das crónicas publicadas no JN. É apresentado esta sexta, na biblioteca Almeida Garrett, no Palácio de Cristal. Nós é que ganhamos, ele é que está de parabéns. DPontes

» publicado por DPontes às 23:20
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Terça-feira, 19 de Junho de 2007

(...) Outro São João

Tantas noites, na noite mais pequena do ano. Como as descritas por Jaime Napoleão de Vasconcelos, em “O Tripeiro” de Junho de 1953.É a festa de São João no século XIX, um banquete de cheiros e ruídos, um fogo que com um suspiro podemos tentar tocar.


 


“O fogo do entusiasmo, como verdadeira ignição começou de irrompe, de alastrar, de propagar-se e, dentro em pouco, toda a rua do Almada esplêndida de soberbas luminárias, feitas a gás sobre armações de ferro, arranjadas em arcos dos mais soberbo efeito.


E eis que a Praça Nova, invadida por seu turno, se apresentava transformada num colossalíssimo arraial, com balões venezianos, filarmónicas, galhardetes, tabuleiros, abadas e tendinhas para a venda de regueifas e pães doces, manjericos e alhos porros, cidreiras e ervas bentas, tudo numa profusão inconcebível.


No ambiente, um chavari de ensurdecedor, do qual se encarregavam as matracas, os assobios, as bombas de clorato, os buscapés, os foguetes, os morteiros, e a vozearia, o alarido da multidão levada ao rubro, que ora cantava, ora fremia, ora bramava, sob o ferrão tarantulesco da folia.


Assim, ano após ano, o fogo foi lavrando por todo o centro da cidade, onde, por fim, não houve rua que não fosse embandeirada, e não armasse, com mais ou menos imponência, a sua cascata de santinhos.” DPontes




Desenho de Sebastião Sanhudo in "O Sorvete" - nº 56, 2º ano, Porto, 1897.

» publicado por DPontes às 00:46
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Domingo, 17 de Junho de 2007

(?) Rua de Ceuta


 


Este era o aspecto da Rua de Ceuta, antes do dilúvio dos últimos dias. Ainda não era meio-dia, não havia um operário em toda esta extensão de obra. Assim percebe-se melhor porque é que o centro da cidade vai entrar no Verão sitiado por ruas esburacadas. DPontes

» publicado por DPontes às 00:17
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 15 de Junho de 2007

(:) Sinais de São João (2)


 


Ainda bem que se multiplicam os sinais de que a festa vem aí. DPontes

» publicado por DPontes às 01:03
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 13 de Junho de 2007

(.)A capela do La Feria


 


A missa vai começar, a capela já está montada na Praça D. João I. Esta Igreja exige luxo, penteados com assinatura, agenda social e vestidos a rigor. O espectáculo não sobe ao palco, espelha-se nos flashes dos fotógrafos e nas câmaras de tv. O teatro cor-de-rosa no seu melhor. DPontes


» publicado por DPontes às 17:58
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Terça-feira, 12 de Junho de 2007

(:) Velhas fotografias


(Praça da Liberdade)


 


Está de volta o homem do tripé e do cavalinho.. DPontes

» publicado por DPontes às 23:26
» link do post | » comentar | » ver comentários (2) | » adicionar aos favoritos

(.) Sinais do São João


(Rua de Belmonte)



No granito, começam a despontar sinais de cor, a puxar a festa que se deseja. Nestes dias é bom passear pela zona histórica, nas traseiras dos roteiros turísticos, e descobrir a romaria que ainda não montou banca. Já há varandas enfeitadas, alecrins deixados à porta para apanharem sol. Aqui a festa não é só uma data marcada no calendário, é um sentimento que cresce, um ciclo que se renova. D.Pontes

» publicado por DPontes às 00:04
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 4 de Junho de 2007

(.) Cruzes canhoto


 


Andaram os portuenses a lutar para manter o Coliseu laico e aberto a todos, para o Rivoli se transformar numa igreja católica festivaleira e os pastores do Reino de Deus ganharem concorrente forte. O La Feria crê no Norte beato e vai dar música para levar o rebanho à sua missa. Acho que ainda nos vai fazer falta um exorcismo. DPontes

» publicado por DPontes às 23:18
» link do post | » comentar | » ver comentários (4) | » adicionar aos favoritos