(;) pesquisa

 

( ) tags

todas as tags

(») posts recentes

(.)Olá Porto

(:) Fazer-se à rua

(...) Um arquivo a explor...

(:) O Porto também é de f...

(.) Histórias do Porto à ...

(:) O Porto também é de f...

(") Cafés do Porto

(?) Os azulejos de São Be...

(:) O Porto também é de f...

(.) Se nos dessem o azul ...

(«) arquivos

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

subscrever feeds

Quinta-feira, 29 de Março de 2007

(:) O coração da cidade

 


bate na Travessa de Cedofeita. DMota

» publicado por DPontes às 14:40
» link do post | » comentar | » ver comentários (1) | » adicionar aos favoritos
Sábado, 24 de Março de 2007

(...) Panorama



Cheira a mofo, como não poderia deixar de ser, o “número especial do Norte” da Panorama, “revista de arte e turismo”. 1941. O Secretariado da Propaganda Nacional, papagueava, com má paginação e sem nenhuma imaginação, o país dos monumentos, das obras públicas e das humildes tradições populares. Há guerra na Europa, mas em Portugal vivem-se tempos sonolentos, com slogans inócuos, de uma ingenuidade confrangedora: “Raios de luz como os do sol”; “O café para o bom apreciador”; “Mobiliário e decorações de bom gosto”; “A electricidade ao alcance de todos”.

Num único tropeço na linguagem gongórica, dizem sobre os portuenses que “há quem os classifique de liberais, com certo jeito de mau nome.” Mas não vamos assustar as boas gentes: eles afinal são liberais, mas na “melhor acepção do termo”. Não sei se para uns ou para outros, na altura o Rivoli era descrito como “um teatro do Porto de que os seus habitantes se orgulham”. DPontes



» publicado por DPontes às 01:24
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 22 de Março de 2007

(.) Pavonear-se




Pavonear revela muito sobre uma pessoa e diz tudo sobre um pavão e foi bom ver regressar os pavões do Palácio de Cristal à liberdade ociosa que tinham antes de serem preventivamente enclausurados por causa da gripe das aves. Nada mais fazem os bichos do que exercer essa gramática reflexa e de apreciar o reflexo da sua soberba existência nos olhos das pessoas. Pavoneiam-se vagarosamente, dando a prenda do seu leque aberto apenas a quem querem. E querem sempre dá-la a quem não lha pede, a quem não insiste, a quem passa por eles sem reparar na curva harmoniosa de cores vibrantes que os torna um pedaço menos velhacos que as outras aves. Ensinam-nos a estimular-lhes a vaidade para os compadecer da nossa sede de beleza. “Liiindo, ó liiindo”, mas eles nada: pavoneiam-se para quem lhes compraz distrair, para quem caminha pensativo – não há muitas mais maneiras de caminhar pelos jardins do Palácio de Cristal – e não olha para o chão. A esses, desdobram com rapidez e solenidade, num só movimento, o fabuloso arco cheio de olhos azuis. Preferem as crianças, de onde colhem a admiração mais sincera e espalhafatosa. A quem implora, deixam por completar o milímetro que falta para a fotografia perfeita. Há que ir voltando e treinando a indiferença até os pavões decidirem que lhes apetece oferecer um encanto fugaz ao nosso dia. DMota

» publicado por DPontes às 18:16
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 16 de Março de 2007

(!) Baú do tesouro


É mais um recanto conquistado ao vazio. Na rua dos Mártires da Liberdade, artéria já nobre pela presença da mágica livraria Académica, abriu em Novembro mais um espaço dedicado ao culto dos livros. Volumes de ocasião, edições raras, ou mesmo puros objectos de prazer gráfico, há muito para ler. Chama-se “Livros e Coisas”, fica no número 29. DPontes


 



 

» publicado por DPontes às 00:15
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Terça-feira, 13 de Março de 2007

(.) Uma questão de espessura


Têm as duas a mesma altura e largura. 20cm por 15cm. Quanto à espessura, as medidas são outras. Uma é a agenda cultural da área metropolitana do Porto, reunindo informação de 14 concelhos. Tem 76 páginas. A outra é a agenda de Lisboa. Tem 144 páginas. A primeira reúne acontecimentos para três meses. A segunda só para um. Escreve Rui Rio no editorial da agenda metropolitana que o munícipe passa a ter um “documento” que permite ter “acesso a todas iniciativas culturais programáticas” de “forma atractiva e rápida”. Quanto ao último ponto estamos conversados. DPontes
» publicado por DPontes às 23:45
» link do post | » comentar | » ver comentários (1) | » adicionar aos favoritos
Sábado, 10 de Março de 2007

(.) António Cruz







“Ouve-se um silvo distante, que arrepia a água. Não há dúvida, a noite vai cair. Uma noite antiga, de há cinquenta anos, onde ninguém poderá pressentir a desgrenhada noite dos nossos dias, ruidosa, insegura, desumana. Olhadas assim, com olhos fatigados, as aguarelas de que estivemos a falar escorrem, também elas, melancolia.”


 Eugénio de Andrade, 1997 no livro “António Cruz, O Pintor e a Cidade”


 


Ontem, passaram-se, quase em silêncio, 100 anos sobre o nascimento de António Cruz. Sobre ele escreveu Bernardo Pinto de Almeida: “De todos os pintores do Porto do século XX, António Cruz foi decerto aquele que melhor soube entender a alma da cidade.” Há intenções de publicar até ao final do ano um livro sobre o autor e anuncia-se uma exposição. Era bom que acontecessem. Para que mais se pudessem rever na luz difusa que emana destas aguarelas. Como o fez Mário Cláudio: “E, à medida que for a locomotiva reduzindo a sua marcha, eis que será tão cinzento o cinzento que dele se não distinguirá o verde das couves, nem o vermelho das dálias, nem o amarelo de um que outro girassol, movido pela trajectória de estrela nenhuma.” DPontes   

» publicado por DPontes às 01:52
» link do post | » comentar | » ver comentários (3) | » adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 7 de Março de 2007

(?) A fonte de Villa Parda





Poderia ser um daqueles recantos de sossego. Um ponto para respirar mais devagar, para ouvir a água na fonte, sentir a cidade de jardins que se esconde por detrás das fachadas das casas. A fonte de Villa Parda, de1859, restaurada em 1940, fica na rua do Bonjardim, mas dificilmente pode ser esse recanto, encaixotada que está por contentores e muito especialmente por uma desajustada cabine telefónica. De tão moderna é, pelo contraste, absolutamente ridícula. Mas a PT nunca primou pelo bom gosto em mobiliário urbano. DPontes




» publicado por DPontes às 00:24
» link do post | » comentar | » ver comentários (3) | » adicionar aos favoritos
Domingo, 4 de Março de 2007

(:) Olhem para a lua

Não nos deixemos perder nos passos que nos prendem ao solo. Esta cidade nunca se deu bem com homens de espinha curvada, contando os quadrados de cimento. Se procuramos a surpresa, a beleza que não resgatamos entre tanta cinza espalhada pelas ruas, não nos esqueçamos que, às vezes, é preciso levantar os olhos para ver mais longe. DPontes






Avenida dos Aliados
» publicado por DPontes às 00:59
» link do post | » comentar | » ver comentários (2) | » adicionar aos favoritos