(;) pesquisa

 

( ) tags

todas as tags

(») posts recentes

(.)Olá Porto

(:) Fazer-se à rua

(...) Um arquivo a explor...

(:) O Porto também é de f...

(.) Histórias do Porto à ...

(:) O Porto também é de f...

(") Cafés do Porto

(?) Os azulejos de São Be...

(:) O Porto também é de f...

(.) Se nos dessem o azul ...

(«) arquivos

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

subscrever feeds

Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2007

(...) Uma hidra em Santa Catarina


Jornal de Notícias, 1904


 


 


Eu tenho saudade das bisnagas de água. Na altura do Carnaval, ganhávamos licença de porte de arma e durante algumas horas podíamos molhar sem piedade. Mas do Carnaval popular, nunca me ficou tradição, esmagada que foi pelos encontrões para ver passar, num qualquer dia perdido, o desfile de música brasileira e do rei momo com cara de televisão. Ao Porto aconteceu-lhe algo semelhante e perdeu-se o gosto pela loucura selvagem das partidas na rua, do século XIX, e dos grandes cortejos organizados, a partir de 1904, pelo Clube Fenianos.


Dois extractos para evocar essas duas épocas:  


 


“O Porto afigurava-se então, em dia de Carnaval, vasto campo de batalha, em que os ovos, as laranjas, a água, a farinha e a cinza do borralho eram as armas de um combate ferocíssimo, de que no fim só havia a lamentar o trabalho de limpar o cabelo e lavar a cara, o que nem todos faziam nesse mesmo dia”.


Arnaldo Gama, “Um motim há cem anos”


 


“Entrudo de cidade, com cores e feitios de trinta mil espécies. Conto de velha, à lareira, na rua de Santa Catarina. Graças, monstruosidades… Ficou-me, de memória, uma bicha a que chamavam hidra. Teria sete cabeças, teria… Mas só me lembro do corpo. Vi-a, de cimo do mocho, mover-se morosamente na rua de Santa Catarina.”


João de Araújo Correia, no Tripeiro de nº 10 de 1954


 


 


 


Elementos do Clube Fenianos


Ilustração Portuguesa, Março de 1905


 


DPontes

» publicado por DPontes às 00:06
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2007

(?) Diferenças

O evento era o mesmo, a Essência Gourmet. O espaço para cada stand era similar. O de Matosinhos tinha destaques para o património, para os arquitectos, para a gastronomia. O do Porto tinha...o que está à vista.  



» publicado por DPontes às 17:57
» link do post | » comentar | » ver comentários (2) | » adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2007

(.) Gente na rua

 



Um rasgo de sol, um pretexto na agenda, uma iniciativa de animação. Não é preciso muito mais para verificarmos que ainda há muita vontade de viver a cidade. Um carrossel, um punhado de insufláveis, tendo como pretexto o Carnaval, fizeram com que os Aliados mostrassem que tanto espaço em aberto pode ter utilidade. Milhares de pessoas acabaram por responder positivamente à vontade da Câmara de comemorar o Entrudo. Afinal, como resistir ao apelo de tantas criancinhas com vontade de mostrarem os seus fatos de Carnaval?

 


Mas grande aposta ganha neste fim-de-semana foi a da Essência do Vinho. A mostra, que permite um contacto directo dos consumidores com os produtores e provar muito do que muito bem se fermenta por aí, provocou uma verdadeira romaria em direcção ao Palácio da Bolsa e ao Mercado Ferreira Borges. Era passear pelas ruas circundantes para descobrir como, subitamente, uma garrafa e um copo se tinham tornado em acessórios de moda obrigatórios. Uma iniciativa que só reforça a ideia que circulou por aí em tempos que, a exemplo de Bordéus, o Porto podia receber um grande festival dedicado ao vinho. Bebamos à ambição. DPontes

» publicado por DPontes às 20:31
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos

(.) Nascente

De onde fará sentido começar esta viagem? Do alto da escarpa de onde dominava o bispo? Junto à estátua do “Porto”? Subindo à Torre dos Clérigos, ou olhando o Douro na Ribeira? Porque não na nova Casa da Música, ou então fazendo as despedidas ao Bolhão? Se calhar olhando a água a brotar da fonte da Colher, ou numa nova loja da rua do Almada. E se esquecermos o onde e escolhermos o como, em forma de gesto simbólico? Bebendo um copo de Porto, saboreando as tripas à moda do Porto, lendo um livro do Porto, molhando os pés no Atlântico? E porque não contrariar esta cidade que se estende para o mar e para o rio e procurar aquilo que quase nunca vemos: o nascer do sol?


É por este momento que faz sentido começar, numa cidade em que tantas vezes falta a luz. Ela virá lá de longe, do continente a que viramos as costas, do interior que esquecemos, para, oblíqua, começar a abrir as ruas, as portas, as janelas que a noite emudeceu. Ainda antes de se mostrar no céu, ela é o sussurro que ergue os cobertores, entrado pelas frinchas da janela, o sinal de partida unificador que nos devolve à cidade. Escolhamos o nascimento de cada dia.


É preciso encontrar um observatório perfeito que diga ainda mais deste Porto. E acho que há um sítio assim. Encontro-o a bordo do metro, entrando na antiquíssima ponte Luís I, de olhos postos no tímido horizonte de luz. É por aqui que vamos começar. DPontes







Foto Adelino Meireles

» publicado por DPontes às 00:52
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos