(;) pesquisa

 

( ) tags

todas as tags

(») posts recentes

(.)Olá Porto

(:) Fazer-se à rua

(...) Um arquivo a explor...

(:) O Porto também é de f...

(.) Histórias do Porto à ...

(:) O Porto também é de f...

(") Cafés do Porto

(?) Os azulejos de São Be...

(:) O Porto também é de f...

(.) Se nos dessem o azul ...

(«) arquivos

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

subscrever feeds

Terça-feira, 30 de Outubro de 2007

(...) O livro de Geografia


 


Em que local  começou o Porto? Muitos diriam que na zona da Sé, outros arriscariam que talvez na Ribeira. Pereira de Oliveira, no seu livro “O Espaço Urbano do Porto”, debruça-se sobre esse assunto e através de uma análise rigorosa em que cruza história e geografia, recorrendo à toponímia, à topografia, ao estudo de antigos mapas, à pesquisa de ruas e percursos, leva-nos por uma viagem do conhecimento à procura desse momento primordial da cidade. Mas este é só um dos capítulos do livro  “Espaço Urbano do Porto - Condições Naturais e Desenvolvimento”, editado em 1973, há muito tempo esgotado, e que agora as Edições Afrontamento decidiram reeditar.


“Além de constituir um marco da geografia nacional, esta obra pode ser considerada como indispensável ainda hoje para a compreensão da evolução da cidade”, escreve o geógrafo Rio Fernandes, na introdução ao livro, que terá sido o primeiro doutoramento em Geografia inteiramente consagrado ao estudo de uma cidade portuguesa.


Capítulos dedicados ao clima, à_vegetação, ao Douro, ao desenvolvimento e morfologia urbana e um volume anexo com precioso material gráfico, fazem com que esta seja uma obra incontornável para todos os estudam e gostam da cidade do Porto.


“Aqui se cruzam a solidez de conhecimentos da geografia física com os de geografia humana, se evidencia a importância do relacionamento da história com a geografia e se promove a referenciação espacial de um vasto conjunto de dados”, resume Rio Fernandes na introdução.


O autor Pereira de Oliveira, professor universitário de Coimbra já falecido, esteve ligado ao arranque do curso de Geografia da Universidade do Porto, cidade com a qual foi mantendo um contacto constante, quer através do trabalho que realizou na Santa Casa da Misericórdia, quer no Gabinete de Planeamento Urbanístico da Câmara , de que foi consultor entre 1978 e 2001. A cidade retribui-lhe em 2001, agraciando-lhe a medalha de ouro e o doutoramento Honoris Causa. Agora, em boa hora, volta a assistir ao lançamento da sua obra maior.


E_em que local começou o Porto? Pois, para o autor foi na Ribeira, mas para perceber como ele chega a essa conclusão vai ser preciso ler o livro. E não vai ser tempo perdido. DPontes Texto publicado no JN de 31/10/07. Imagem retirada do livro.

» publicado por DPontes às 23:29
» link do post | » comentar | » adicionar aos favoritos
1 comentário:
De POS a 8 de Novembro de 2007 às 15:32
Entrando eu mesmo em conjecturas, por nem sequer ter olhado para o livro, presumo que a conclusão do autor sobre o local de origem da cidade seja meramente conjectural. Escrevo de cor, sem referir autores, para dizer que há muito de absurdo nessa conclusão. Ou seja, poderá ter havido algum protopovoamento na beira-rio, mas não se pode afirmar que era o Porto (para falar em vestígios pré-históricos nesta zona, o mais prático é avançar até ao mar). Sobre o local de origem do Porto havia, na essência, duas teorias: a Pena Ventosa (morro da Sé) e a Cividade (o morro adjacente, para o lado da Batalha, fortemente cortado quando rasgaram a "avenida da ponte". Pesquisas arqueológicas etratigráficas feitas no n.º 5 da Rua de D. Hugo demonstraram que é junto à Sé que se encontram os mais antigos vestígios de povoamento. De resto, se apontarmos uma origem castreja à cidade do Porto, teremos sempre de buscar um sítio altaneiro, nunca a vulnerabilidade da beira-rio. Se em tempos remotos houve gente de algum modo estabelecida junto ao Douro, não estamos a falar de Porto, porquanto essa seria uma relação tão válida como a que fez frei Bernardo de Brito, monge cisterciense que no século XVII remeteu a origem de Portugal à Criação do Mundo, apenas para legitimar a separação das coroas no tempo da Dinastia Filipina.

» comentar post